José Luiz Tahan

De repente, livreiro

A livraria mais charmosa – e boêmia – de Santos, no coração do Gonzaga, revela entre centenas de títulos, a história de uma paixão pelos livros que começou ‘quase sem querer’.

José Luiz Tahan tinha 18 anos quando decidiu procurar emprego para pagar a faculdade de arquitetura. Apaixonado por desenhos, colocou a pasta debaixo do braço e foi mostrar o seu trabalho em vários estabelecimentos comerciais da cidade.

Entrou na já extinta Livraria Iporanga e ofereceu os seus serviços: ‘Sei desenhar e gosto de ler, estes são meus desenhos. Estou deixando um telefone de recados, pois não tenho telefone em casa’.

Quinze dias depois, a vizinha que recebeu o telefonema o chamou e disse: ‘ligou aqui um tal de Zé Pedro, lhe oferecendo emprego, mas não sei de onde era’. Tahan voltou nos lugares por onde havia passado e todos deram negativas. Por último, entrou na Iporanga e, embora o telefonema também não tivesse partido de lá, Luigi Marnoto lhe ofereceu um emprego.

Tahan começou a trabalhar e entrou na faculdade de arquitetura. Trabalhava de manhã e à noite na Iporanga e durante a tarde cursava a faculdade. Após um ano, Marnoto propôs a ele sociedade na livraria, que foi paga, parte com ajuda da mãe e parte trabalhando sem receber durante anos.

Quatro anos mais tarde, em uma conversa de botequim, Marnoto revelou a Tahan que no dia em que ele esteve na livraria, procurando emprego, um amigo que estava no balcão ouviu a conversa e decidiu, dias depois, ligar oferecendo um emprego em seu bar, ZéPelin, em São Vicente. O recado distorcido da vizinha levou José Luiz Tahan ao mundo dos livros.

Atuou na Iporanga de 1990 a 2004, quando, já com outra unidade na UniSantos e com a atual Realejo funcionando, encerraram as atividades. ‘A Iporanga foi a minha escola. Sempre há o que aprender, pois somos muito menores do que tudo aquilo que nos cerca’­, resume Tahan sobre a sua história na cinquentenária livraria.

O livreiro Tahan

Tahan é um livreiro tradicional, daqueles que gostam da livraria clássica, com cheiro e atendimento de livraria e, sobretudo, um estoque libertário. ‘Eu não gosto de trabalhar apenas com best-sellers; a livraria de rua deve respeitar a literatura como um todo, na sua essência’.

Para ele, o livreiro não precisa ser necessariamente um acadêmico, um intelectual, mas deve estar disposto a ouvir e entender o outro. ‘Construí grandes amizades aqui dentro. A Realejo é um ponto de concentração de ideias, de troca, é uma livraria boêmia’.

Neste ambiente exclusivo, onde se reúnem leitores, autores e boêmios da região, para um bate-papo com música ao vivo, acompanhado de um bom café e até mesmo de cervejas artesanais, Tahan inaugurou também a editora Realejo, no segundo piso da loja.

Já são 100 títulos editados de autores do mundo todo e também publicados no exterior. Um deles é ‘As joias do Rei Pelé’, que está sendo vendido na Finlândia e cujos direitos internacionais pertencem à Realejo.

Mergulhado em meio aos livros durante o dia, José Luiz Tahan ainda dedica seu tempo a ler de 12 a 15 obras por ano, além dos originais que recebe para a editora. Também é jurado do Prêmio São Paulo de Literatura e tem que avaliar 200 obras em dois meses. ‘Neste momento, por exemplo, há pilhas de caixas em casa’.

Há oito anos Tahan realiza a Tarrafa Literária, um festival de literatura que traz autores consagrados para mesas redondas, bate-papos e oficinas, em Santos. O evento acontece sempre no mês de setembro e tem entrada gratuita. ‘A Tarrafa Literária é o amadurecimento deste relacionamento que construí com os autores na livraria’.

Um dos livros de cabeceira é ‘Um, nenhum e cem mil’, de Luigi Pirandello, mas Tahan é do tipo de leitor que tem uma literatura para cada momento, dos romances às crônicas, e também é daqueles que se dá o direito de largar um livro pela metade. Muito justo para quem vive cercado deles.

Fique de olho

Fique de olho

A Realejo Livros foi contemplada em um edital do Ministério da Cultura para proporcionar, durante um ano, cursos grátis para autores e leitores. Acompanhe as novidades na fanpage /realejo.livros.

“Eu me reinventei com a editora e com o festival para continuar sendo o mesmo. Continuar sendo uma livraria de rua”.

Diego Brígido

Editor da Revista Nove | Guia Comer & Beber

Mais buscadas

#tbt ação social afro aldeia alimentação almoço amor ano novo aquario arquitetura arte arte no dique baixada santista bares bazar bebida beneficente bertioga birdwatching Brasil cachaça cães café cafeterias carnaval carreira casamento cenário centro histórico cerveja cerveja artesanal chamada chopp ciência cinema circo clima coletivo comer e beber compras concha acústica confraternização consciência negra coração coworking crianças cruzeiros cubatão cuidado cultura curiosidades cursos curta metragem curta santos dança desfile design design gráfico designer dia das mães diversao drinks ecologico economia criativa ecoturismo educação empreendedorismo encontro encontro de criadores entretenimento entrevista espetáculo esporte esportes evento eventos eventos em Santos exposição família feira feriado férias festa festa junina festas festival fim de ano flores gastronomia geek golf guarujá handmade história hospedagem hotéis hotelaria humor inverno itanhaém japones juicybazar LAB lazer lendas lgbt liberdade limpeza literatura litoral norte litoral plaza litoral plaza shopping livros lixozero lucky tattoo mar moda mongaguá mostra mudanças mulheres museu museus música nacional natal natureza negócios o que fazer obras oficina onde beber oportunidade palestra papai noel parque páscoa patrimônio persona personagens peruíbe pesquisa pet friendly pets praia praia grande praias presentes prevenção projeto social projetos restaurantes reveillon revista nove riviera de são lourenço roteiro turístico santos são paulo são vicente saúde segurança sesc shopping show shows social sofitel solidariedade stand up sustentabilidade tarrafa tattoo tatuagem teatro trabalho voluntário turismo turismo religioso vegan veganismo vegetarianismo verão vida noturna vinho vinhos workshop