Patrícia Galvão, a Pagu

Porque nem toda brasileira é bunda

A frase do título pertence a música de Rita Lee e Zélia Duncan, que leva o nome de Pagu e eterniza sua importância na militância política e no cenário cultural brasileiro.

Patrícia Rehder Galvão, a Pagu, foi um dos ícones do movimento modernista no Brasil e se destacou como escritora, jornalista, poeta, diretora de teatro, desenhista, e sobretudo agitadora cultural, feminista e militante política.

A primeira brasileira no século 20 a ser presa política teve uma vida curta, mas intensa, de lutas e entrega. Morreu em 1962, aos 52 anos, vítima de um câncer, que a levou, inclusive, a uma tentativa de suicídio.

Ainda antes de ser Pagu, Patrícia Galvão já era considerada uma menina avançada para a época, pois tinha comportamentos que não condiziam com sua educação conservadora. Fumava na rua, falava palavrões e usava blusas transparentes e cabelos curtos e eriçados.

Um pouco de história

Aos 15 anos, enquanto estudava para ser professora, passou a escrever para um jornal de bairro, em São Paulo, e frequentou o Conservatório Dramático e Musical, onde teve aulas com Mário de Andrade e Fernando Mendes de Almeida.

Com 19, por intermédio de Raul Bopp, conheceu o casal de modernistas Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral, que a introduziram no movimento antropofágico. Teria sido Raul o inventor de seu apelido, por achar que seu nome era Patrícia Goulart. No poema ‘Coco de Pagu’, usa o codinome, que viria se eternizar, pela primeira vez.

Pouco tempo depois, Oswald separou-se de Tarsila e casou-se com Pagu, que já esperava um filho seu, Rudá de Andrade. Alguns meses após o parto, Patrícia Galvão foi a Montevidéu, no Uruguai, participar de um festival de poesia, quando conheceu o líder comunista Luis Carlos prestes.

Ao voltar para o Brasil, Pagu e Oswald se filiaram ao Partido Comunista (PCB) e fundaram o jornal de esquerda ‘O Homem do Povo’. No mesmo ano, em 1931, ela é presa em Santos, ao participar de um comício, durante uma greve dos estivadores, e levada para um cárcere na Praça dos Andradas, conhecido hoje como Cadeia Velha, onde funciona um centro cultural que leva o seu nome.

No ano seguinte, Pagu foi morar em uma vila operária no Rio de Janeiro, onde trabalhou como proletária e escreveu o romance proletário Parque Industrial, assinado por Mara Lobo, pseudônimo exigido pelo Partido Comunista, além de uma peça de teatro baseada nele.

Em seguida, começou a viajar pelo mundo como correspondente de jornais cariocas e paulistanos. Na China, cria vínculos com o último imperador, Pu-Yi, de quem consegue as sementes de soja que iniciam a cultura do cereal no Brasil.

Também trabalhou em Paris, como jornalista e tradutora de filmes, onde foi ferida em manifestações de rua e presa três vezes. Nos anos que se seguiram, foi levada para a prisão diversas vezes pelo governo getulista no Brasil, mas continuou uma intensa produção cultural.

Em 1940, já separada de Oswald de Andrade, casou-se com Geraldo Ferraz, com quem tem o seu segundo filho, Geraldo Galvão Ferraz. Em São Paulo, publicou crônicas em A Noite, sob o pseudônimo Ariel, além de contos policiais para a revista Detective e outros romances, como A Famosa Revista, em parceria com Geraldo Ferraz.

Pagu também foi candidata à deputada federal, pelo Partido Socialista Brasileiro, e escreveu outras obras, incluindo a peça Fuga e Variações.

Em Santos

Quando veio morar em São Vicente e em Santos, em 1964, começou a trabalhar para o jornal A Tribuna, onde assinava uma das primeiras colunas de TV no Brasil, com o pseudônimo Gim.

Por aqui, também incentivou o teatro de vanguarda, quando coordenou a primeira edição do Festival do Teatro Amador de Santos e Litoral.

Em setembro de 1962, Pagu voltou a Paris para se submeter a uma cirurgia em decorrência do câncer. A operação não deu certo e ela tentou o suicídio, sem sucesso. Em dezembro, já muito debilitada, publicou o seu último texto em A Tribuna, o poema Nothing, às vésperas de sua morte, em Santos.

Conforme aponta a professora Lúcia Maria Teixeira, pesquisadora de Pagu desde 1988, “Ela sempre sonhou entregar-se totalmente, sem limites, até a aniquilação, ao amor, a uma causa, à vida e até à própria morte”.

Eh Pagú eh!

Pagú tem uns olhos moles
uns olhos de fazer doer.
Bate-coco quando passa.
Coração pega a bater.
Eh Pagú eh!
Dói porque é bom de fazer doer (…)

[poema ‘Coco de Pagu’, de Raul Bopp, dedicado a ela, em 1928]

Mais buscadas

#tbt ação social afro airbnb aldeia alimentação almoço amor anchieta anime animesantos aniversário aniversário de Santos ano novo ano novo praia grande antologia aquario aquário de santos arena hologate arquitetura arquitetura modernista arte arte no dique artista local atração autismo automotivação avenida baixada santista balão magico balão mágico sinfônico banda melim bares bazar bebida beijaflor beneficente bernardino bernardino de campos bertioga bicicleta bike birdwatching black friday blues boat week bonde bonde turístico bossa nova bossa nova em santos Brasil brisamar shopping cachaça cães café café árabe cafeterias campanha canais de santos caravana carla mariani carnabanda carnabanda 2020 carnabonde carnabonde 2020 carnaval carnaval 2020 carnaval de rua carnaval de santos carnaval em bertioga carnaval em santos carnaval em sao vicente Carnaval Liberal Solidário de Santos carnaval santista carnaval2020 carnavalsantista carreira casamento casarão da tuiuti cata treco cata treco santos cemitério israelita cenário centro histórico ceramica cerveja cerveja artesanal chamada chopp churrasco cidade de santos ciência cine autorama cinema cinema em santos cinesystem circo circo dos sonhos clantransdestina clima clube de pesca coach coaching coca coca cola coletivo comer e beber comercial compras concerto concha acústica confraternização consciência negra conscientização consumo consciente contadores de historia conteiner coração cortejo quiloa coworking criança crianças cruzeiro cruzeiros cubatão cuidado cultura culturageek curiosidades curso cursos cursos de férias curta metragem curta santos dança desfile design design gráfico designer destinos dia das bruxas dia das mães dia de finados diogo nogueira diversao dp world dp world santos dragão drinks drive in ecologico economia criativa ecoturismo edificil marahu educação emocional empreendedorismo empresa empresas portuárias encenação encontro encontro de criadores engenho dos erasmos entretenimento entrevista escola de samba espelho espetáculo esporte esportes estabilidade Estação do Valongo estação verão estação verão praia estação verão show estilo de vida EUA evento eventos eventos em Santos exposição família fantasia feira feira criativa feira de natal feito a mão feriado férias ferrovia festa festa junina Festa Mares do Sul festas festival festival da imagem festival de musica filme fim de ano finados flamenco flores fonte fonte interativa forró forró pé na areia fotografia futebol futebol caiçara game gastronomia geek geekfest golf gonzaga grafite granderio gravação grupo especial grupo feitiço grupo mendes guarujá guilherme arantes halloween handmade história história de santos hospedagem hotéis hotel atlantico hotelaria humor iate iate clube de santos iates de luxo ilha das palmas inteligencia inteligencia emocional intenção inverno istalação artística itanhaém itararé iza jabaquara japones jazz jogo de tabuleiro juicy juicy santos juicybazar kascão LAB lançamento lançamento de livro lazer lendas leo maia leonardo miggiorin lgbt liberdade lifestyle limpeza liquidação literatura litoral festival litoral norte litoral plaza litoral plaza shopping litoral sul livro de poema livros lixozero looping star lucky tattoo macuco mar maracatu marcas melim melim em santos mendes convention center mercado de peixes metas moda mongaguá monicaverso montanha russa monumentos mosaico jogos mostra mostra de arte mostra fotográfica mpb msc msc sinfonia mudanças mulheres museu museu da água museu do café museu do exercito museu do forte museus música música classica nacional natal natal em santos natal inclusivo natureza negócios neguinhodabeijaflor nerd netflix nossa história nova ponta da praia novembro azul o coletivo o que fazer objeto ceramico obras oficina onde beber oportunidade orla orla da praia orla de santos orquestra orquidário orquidário de santos oxigênio criativo paixão de cristo palacete mauá palestra papai noel papai noel se importa parada de natal parque parque magic dragon páscoa passeio patati patata patinete patinete em santos patio iporanga patrimônio peça percurso persona personagens peruíbe pesquisa pet friendly pets pinacoteca plataforma plinio marcos plinio marcos presente poesia ao infinito ponta da praia porto porto de santos portuguesa praia praia do gonzaga praia grande praiamar praias premiação presente presentes presidente wilson prevenção primeira guerra produções programação projeto social projetos promoção propaganda qualidade de vida quiloa rainha de bateria realidade virtual recreação restaurantes reveillon réveillon em santos réveillon praia grande revela bertioga revista mirante revista nove rio santos bossa fest riviera riviera boat riviera de são lourenço rococco rodovia role roteiro roteiro turístico samba sambaenredo santo santos santos carnabanda 2020 santos carnabonde santos city santos e região santos em verso e prosa santos jazz festival santoscity são paulo são vicente saúde segurança sesc sesc jazz sesc santos sherlock holmes shopping shopping balneário shopping patio iporanga shopping villamar show show de natal show em santos shows shows praia grande signos possíveis single social sofitel solidariedade sorvete sorvete kascão stand up startup sucesso sunset party sustentabilidade tarrafa tattoo tatuagem teatro tenor tenor jean william terminal portuário terror trabalho voluntário turismo turismo em santos turismo religioso turma da monica urbanização vaga de emprego valongo vegan veganismo vegetarianismo verão vida noturna vila de são vicente villamar vinho vinhos virada cultural virada sp visibilidade trans visita noturna vulcão vulcão do macuco workshop xande de pilares zeca pagodinho zero treze zerotreze