José Bonifácio de Andrada e Silva, o santista patriarca da independência

Naturalista, estadista e poeta luso-brasileiro, teve papel decisivo na independência do Brasil

José Bonifácio de Andrada e Silva é nome conhecido entre os santistas, mas sua grandeza é nacional, já que teve papel fundamental na independência do Brasil e, por isso, é conhecido como o 'Patriarca da Independência'

José Bonifácio nasceu em Santos, em 13 de junho de 1763, então Capitania de São Paulo; morreu em Niterói, em 6 de abril de 1838, mas é em solo santista que seus restos mortais estão, no Pantheon dos Andradas, juntamente com os de seus irmãos, Martim Francisco Ribeiro de Andrada, Antônio Carlos Ribeiro de Andrada Machado e Silva e um terceiro, que era padre, Patrício Manuel.

Bonifácio teve uma importante atuação como naturalista, notadamente na minerologia, tendo sido internacionalmente reconhecido ainda em vida, além de ter se destacado na política, como um notável estadista e – ainda – um grande poeta luso-brasileiro.

Membro de família da aristocracia portuguesa, seu pai, Bonifácio José Ribeiro de Andrada era casado com uma prima, Maria Bárbara da Silva, e tinha a segunda maior fortuna da cidade, que conquistou como mercante e ocupou diversos cargos e ofícios da Coroa Portuguesa.

Seu pai foi seu primeiro mestre, mas em Santos não era possível ir além do ensino primário, então, José Bonifácio mudou-se para São Paulo aos catorze anos de idade.

José Bonifácio e a escravidão

Após uma excursão científica pela Europa, que durou 30 anos, Bonifácio retornou ao Brasil, em 1819, aos 56 anos, agora Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, já com a Família Real aqui, e se deu conta de que velhos problemas ainda existiam. E o pior deles, segundo sua visão, era a escravidão.

O trabalhador brasileiro era quase exclusivamente o negro, e a economia se organizara em benefício de uma classe privilegiada. Bonifácio propôs, então, um extenso programa de trabalho, que incluía abolição do tráfico, extinção da escravidão, incorporação dos índios à sociedade, miscigenação orientada para suprimir choques de raças e de classes e constituir uma ‘nação homogênea’, transformação do regime de propriedade agrária com a substituição do latifúndio pela subdivisão de terras, preservação e renovação das florestas, localização adequada das novas vilas, aproveitamento e distribuição das águas e exploração das minas.

Como, desde 1808, D. João VI não nomeara ministro um brasileiro e, tendo José Bonifácio recusado os convites recebidos para atuar como ajudante dos indicados a ministros do rei, partiu para Santos onde seu irmão Martim Francisco era diretor de minas e matas da Capitania de São Paulo.

José Bonifácio e a independência do Brasil

O primeiro passo de Bonifácio no caminho do processo de independência do Brasil foi aceitar o convite para presidir a eleição dos membros da junta governativa provisória de São Paulo (as capitanias haviam sido transformadas em províncias, por decreto de D. João VI, governadas por juntas provisórias).

Nas eleições, Bonifácio recebeu aclamação de seu nome como vice-presidente e, como um dos secretários foi indicado seu irmão Martim Francisco. Então, em 23 de junho de 1821, José Bonifácio iniciava seu papel político no Brasil.

A Junta de São Paulo foi a primeira a reconhecer a autoridade do príncipe regente D. Pedro de Alcântara e, então, em carta de 17 de julho de 1821 ao pai, o príncipe menciona José Bonifácio como o homem “a quem se deve a tranquilidade atual da província de São Paulo”.

A carta a D. Pedro

Diante de um cenário tumultuado e com a possibilidade do retorno do príncipe a Portugal e de o Brasil voltar a ser colônia, José Bonifácio escreve uma carta ao príncipe D. Pedro, que era quase uma ameaça: “É impossível que os habitantes do Brasil que forem honrados e se prezarem de ser homens, e mormente os paulistas, possam jamais consentir em tais absurdos e despotismos. V. A. Real deve ficar no Brasil quaisquer que sejam os projetos das Cortes Constituintes não só para nosso bem geral mas até para a independência e prosperidade futura do mesmo Portugal. Se V. A. Real estiver (o que não é crível) pelo deslumbrado e indecoroso decreto de 19 de setembro, além de perder para o mundo a dignidade de homem e de príncipe, tornando-se escravo de um pequeno número de desorganizadores, terá também que responder, perante o céu, do rio de sangue que decerto vai correr pelo Brasil”.

A carta chegou às mãos do príncipe no Rio a 1º de janeiro de 1822 e foi divulgada na Gazeta do Rio, em 8 de janeiro. Em carta ao pai, de 2 de janeiro de 1822, D. Pedro escreveu: “Farei todas as diligências por bem para haver sossego, e para ver se posso cumprir os decretos 124 e 125, o que me parece impossível, porque a opinião é toda contra, em toda a parte”.

D. Pedro tinha clara consciência da sua responsabilidade junto aos patriotas brasileiros, e estava disposto a desempenhá-lo. No dia 9 de janeiro, então, acabou declarando: “Como é para o bem de todos e felicidade geral da nação, estou pronto: diga ao povo que fico!”

No mesmo janeiro, o príncipe, de 23 anos nomeou José Bonifácio, aos 60 anos, seu Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Reino – o primeiro brasileiro a ocupar um cargo semelhante.

Rumo à Independência

No final de julho de 1822, as insensatas Cortes de Lisboa enviavam numerosa tropa para dominar o país. José Bonifácio tomou medidas da maior gravidade, como declarar inimigas as tropas que Portugal mandasse para o Brasil, por meio do decreto de 1º de agosto, em que D. Pedro se dava como ‘regente do vasto Império do Brasil pelo consentimento e espontaneidade dos povos’ e, com isso, declarava guerra a Portugal.

Então, juntamente com Gonçalves Ledo, Bonifácio redigiu o extenso documento de 6 de agosto de 1822, onde expunha o legítimo ressentimento por três séculos de dominação, e avisava ao mundo que os brasileiros não mais admitiriam a volta ao regime anterior.

Independência ou Morte

No final de agosto, três navios vindos de Lisboa aportaram no Rio, com notícias de que as Cortes tinham decidido reduzir o príncipe a simples delegado temporário, e apenas nas províncias onde exercia autoridade.

José Bonifácio era quem estava na mira das Cortes, considerado o maior responsável pelos acontecimentos. Ele, então, escreveu a D. Pedro: “O dado está lançado e de Portugal não temos a esperar senão escravidão e horrores. Venha V.A. quanto antes e decida-se, porque irresoluções e medidas d’água morna, à vista desse contrário que não nos poupa, para nada servem e um momento perdido é uma desgraça”. Com sua carta seguiram cartas de D. Leopoldina, esposa de D. Pedro, simpatizante das iniciativas de Bonifácio, incitando o marido ao gesto, além de uma carta de Antônio Carlos, e outra de Henry Chamberlain.

O emissário, Paulo Emílio Bregaro, encontrou D. Pedro, que voltava de Santos, leu as cartas, demonstrou sua grande indignação, e, ao encontrar a Guarda de Honra que o esperava nas margens do riacho Ipiranga, comunicou que as Cortes queriam ‘massacrar’ o Brasil.

Eram quatro e meia da tarde de 7 de setembro de 1822, e o príncipe, num verdadeiro brado, exclamou: “É tempo! Independência ou morte! Estamos separados de Portugal”.

José Bonifácio, confirmado ministro do Interior e dos Negócios Estrangeiros, foi tomando providências no novo governo. Por decreto de 18 de setembro, descreveu as armas e a bandeira brasileira como se mantiveram até 1889. Por outro decreto, também de 18 de setembro, criou o tope nacional brasileiro, verde e amarelo.

A história segue ainda conturbada, mas, eis aqui, o motivo pelo qual o santista José Bonifácio de Andrada e Silva é considerado, com a atuação dos irmãos Andradas, o Patrono da Independência, declarado assim, oficialmente, apenas em 11 de janeiro de 2018.

Pantheon dos Andradas

O Pantheon dos Andradas é o jazigo, em Santos, onde estão as cinzas de José Bonifácio de Andrada e Silva e de seus irmãos Antonio Carlos, Martim Francisco e Patrício Manuel, inaugurado em 7 de setembro de 1923.

O templo cívico ocupa o espaço da antiga portaria do Convento do Carmo e conta com monumento projetado pelo escultor Rodolfo Bernardelli, feito na Itália.

A estátua jacente, em relevo, de José Bonifácio de Andrada e Silva encontra-se no centro do salão principal – sob ela, em duas caixas de aço, está grande parte de seus restos mortais. Durante 31 anos, o corpo ficou sepultado na nave do altar-mor da Igreja do Convento do Carmo, sem nenhuma identificação mais significativa, até que, em 1869 foi colocada uma laje de mármore enaltecendo o santista.

Confeccionada em mármore branco, à esquerda do monumento do patriarca está a urna funerária de Antonio Carlos Ribeiro de Andrada Machado e Silva, iluminada por pequeno lustre pendente de vidros coloridos. A urna funerária de Martim Francisco Ribeiro de Andrada encontra-se à direita do monumento ao patriarca e, sobre ela, lustre pendente de vidros coloridos preso a duas correntes formando um triângulo invertido, um dos símbolos da Maçonaria, à qual pertenciam os irmãos Andrada.

O Pantheon dos Andradas fica na Praça Barão do Rio Branco, 16, no Centro de Santos.

Ilustração: plenarinho.leg.br/

Diego Brígido

Editor da Revista Nove | Guia Comer & Beber

Mais buscadas

#tbt ação social afro airbnb aldeia alimentação almoço amor anchieta anime animesantos aniversário aniversário de Santos ano novo ano novo praia grande antologia aquario aquário de santos arena hologate arquitetura arquitetura modernista arte arte no dique artista local atração autismo automotivação avenida baixada santista balão magico balão mágico sinfônico banda melim bares bazar bebida beijaflor beneficente bernardino bernardino de campos bertioga bicicleta bike birdwatching black friday blues boat week bonde bonde turístico bossa nova bossa nova em santos Brasil brisamar shopping bruna marquezine cachaça cães café café árabe cafeterias campanha canais de santos caravana carla mariani carnabanda carnabanda 2020 carnabonde carnabonde 2020 carnaval carnaval 2020 carnaval de rua carnaval de santos carnaval em bertioga carnaval em mongagua carnaval em santos carnaval em sao vicente Carnaval Liberal Solidário de Santos carnaval santista carnaval2020 carnavalsantista carreira casamento casarão da tuiuti cata treco cata treco santos cbjr cbjr em santos cemitério israelita cenário cenários centro histórico ceramica cerveja cerveja artesanal chamada charlie brown jr chopp chorão churrasco chuva chuva em santos chuva na região cidade de santos ciência cine autorama cinema cinema em santos cinesystem circo circo dos sonhos clantransdestina clima clube de pesca coach coaching coca coca cola coletivo comer e beber comercial compras concerto concha acústica confraternização consciência negra conscientização consumo consciente contadores de historia conteiner coração coronavirus cortejo quiloa coworking criança crianças cruzeiro cruzeiros cubatão cuidado cultura cultura caiçara culturageek curiosidades curso cursos cursos de férias curta metragem curta santos dança desfile design design gráfico designer destinos dia das bruxas dia das mães dia de finados diogo nogueira diversao dp world dp world santos dragão drinks drive in ecologico economia criativa ecoturismo edificil marahu educação emocional empreendedorismo empreender e transformar empresa empresas portuárias encenação encontro encontro de criadores engenho dos erasmos entretenimento entrevista escola de empreendedorismo escola de samba espelho espetáculo esporte esportes estabilidade Estação do Valongo estação verão estação verão praia estação verão show estilo de vida EUA evento eventos eventos em Santos exposição família fantasia feira feira criativa feira de natal feito a mão feriado férias ferrovia fescete festa festa junina Festa Mares do Sul festas festival festival da imagem festival de musica filme filme em santos fim de ano finados flamenco flores fonte fonte interativa forró forró pé na areia fotografia fotos antigas fotos antigas de santos fotos antigas praia grande futebol futebol caiçara game gastronomia geek geekfest golf gonzaga grafite granderio gravação grupo especial grupo feitiço grupo mendes guarujá guilherme arantes halloween handmade história história de santos Hora da Cultura hospedagem hotéis hotel atlantico hotelaria humor iate iate clube de santos iates de luxo ilha das palmas impacto social instituto procomum inteligencia inteligencia emocional intenção inverno istalação artística itanhaém itararé iza jabaquara japones jazz jogo de tabuleiro juicy juicy santos juicybazar kascão LAB lançamento lançamento de livro lazer lendas leo maia leonardo miggiorin lgbt liberdade lifestyle limpeza liquidação literatura litoral festival litoral norte litoral plaza litoral plaza shopping litoral sul livro de poema livros lixozero looping star lucky tattoo macuco mar maracatu marcas meeting arq experience melim melim em santos mendes convention center mente emocional mente racional mercado de peixes metas moda mongaguá monicaverso montanha russa monumento monumentos mosaico jogos mostra mostra de arte mostra fotográfica mpb msc msc sinfonia mudanças mulheres muretas de santos museu museu da água museu do café museu do exercito museu do forte museus música música classica nacional natal natal em santos natal inclusivo natureza negócios neguinhodabeijaflor nerd netflix nossa história nossa senhora nossa senhora aparecida nova ponta da praia novembro azul o coletivo o que fazer objeto ceramico obras oficina onde beber oportunidade orla orla da praia orla de santos orquestra orquidário orquidário de santos oxigênio criativo paixão de cristo palacete mauá palácio das artes palestra papai noel papai noel se importa parada de natal parque parque ecológico Parque Ecológico do Perequê parque magic dragon páscoa passeio patati patata patinete patinete em santos patio iporanga patrimônio peça percurso perequê persona personagens peruíbe pesquisa pet pet em casa pet friendly pets pin up pinacoteca plataforma plinio marcos plinio marcos presente podcast podcast tu sabia poesia ao infinito ponta da praia porto porto de santos portuguesa praia praia do gonzaga praia grande praiamar praias prefeitura de santos premiação presente presentes presidente wilson prevenção primeira guerra produções programação projeto cultural projeto social projetos promoção propaganda qualidade de vida quarentena quiloa rainha de bateria realidade virtual recreação restauração restaurantes reveillon réveillon em santos réveillon praia grande revela bertioga revista mirante revista nove rio santos bossa fest riviera riviera boat riviera de são lourenço rococco rodovia role roteiro roteiro turístico samba sambaenredo santo santos santos carnabanda 2020 santos carnabonde santos city santos criativa santos e região santos em verso e prosa santos jazz festival santoscity são paulo são vicente saúde segurança semana de cultura caiçara sesc sesc jazz sesc santos sherlock holmes shopping shopping balneário shopping patio iporanga shopping villamar shoppings da região show show de natal show em santos shows shows praia grande signos possíveis single social sofitel solidariedade sorvete sorvete kascão stand up startup sucesso sunset party sustentabilidade tarrafa tattoo tatuagem teatro tecnologia tenor tenor jean william terminal portuário terror trabalho voluntário tu sabia turismo turismo em santos turismo religioso turma da monica turne charlie brown junior ubatuba unesco urbanização vaga de emprego valongo vegan veganismo vegetarianismo verão vida noturna vila de são vicente villamar vinho vinhos vintage virada cultural virada sp visibilidade trans visita noturna vou nadar até voce vulcão vulcão do macuco workshop workshop de vinho xande de pilares zeca pagodinho zero treze zerotreze