Nada acontece por aqui: o que fazer em Santos

por Rodrigo Savazoni

Quantas vezes você já ouviu a frase do título?

Gente dizendo que em Santos, na Baixada Santista, não há nada para se fazer. Caso queira se divertir, descobrir novidades, tem que subir a serra, ir pra São Paulo, pegar um avião ou um navio, para qualquer outro lugar melhor que este arquipélago pouco criativo. Eu já a ouvi um montão de vezes e sempre fico incomodado. Na minha opinião, é uma frase que diz muito mais sobre quem a evoca do que sobre nossa região.

Mudei-me para Santos em 2011. Antes, vivi em São Paulo e Brasília. Cresci em Jundiaí. Já estive em algumas cidades do Brasil e do mundo, sobretudo na América Latina e Europa. O que me atraiu para cá foi a possibilidade de uma vida menos tumultuada, com espaços públicos abundantes e onde eu pudesse transportar meus filhos de bicicleta – já faz tempo que vendi meu carro.

Encontrei isso e muito mais. Encontrei, por exemplo, uma região que ainda preserva uma cultura radicalmente democrática, provavelmente reflexo de seu passado revolucionário, quando era conhecida como Barcelona ou Moscouzinha Brasileira. Uma cidade em que convivem diferentes projetos e coletivos culturais vibrantes, que se reúnem em torno da Vila do Teatro (Trupe Olho de Rua), realizam saraus periféricos, ocupam espaços públicos (Maracatu Quiloa e Garrafada).

Uma região com escritores como Maria Valeria Rezende, Manuel Herzog e Javier Arancibia Contreras, poetas como Ademir Demarchi, Marcelo Ariel, Flávio Viegas Amoreira e Preta Rara, com artistas plásticos como Olivia AForca, Fixxa e Fabrício Lopez, que tem uma livraria de rua como a Realejo, também promotora do festival Tarrafa Literária, e espaços culturais de resistência, como o Coletivo Novo Paraíso, em Cubatão, o Arte no Dique e o projeto Luzes da Vila, em Santos.

Uma região que tem coletivos de permacultura (que se reúnem às quartas-feiras no Estúdio Lobo), hortas comunitárias, festas de rua, festivais de literatura, cinemas públicos, cinemas de rua, grupos e coletivos de teatro, músicos excelentes, samba tradicional, no Ouro Verde ou na União Imperial, clube do choro, botequins antigos, como os do Marapé, ou novos, como o do Tonhão, no Valongo, novos espaços culturais independentes, como o Mundi, a Casa Fórum ou o Buracos.

Na minha coluna, que estreia nesta edição, irei partilhar minhas andanças pela cena santista, contando histórias de seus personagens e projetos, com foco na criatividade e na ação coletiva. Afinal, a mudança que queremos depende de gente boa fazendo coisas boas juntas. E a despeito da autoimagem que parte da elite local convoca: há muito acontecendo por aqui.

Rodrigo Savazoni

Realizador multimidia, articulador cultural e diretor do Instituto Procomum

Mais buscadas

#tbt ação social aldeia alimentação almoço amor ano novo aquario arquitetura arte arte no dique baixada santista bares bazar beneficente bertioga cães café cafeterias carnaval carreira casamento cenário centro histórico cerveja cerveja artesanal chopp ciência cinema circo coletivo comer e beber compras confraternização consciência negra coração coworking crianças cruzeiros cubatão cuidado cultura curiosidades cursos curta metragem curta santos dança design dia das mães drinks ecologico economia criativa ecoturismo educação empreendedorismo encontro encontro de criadores entretenimento entrevista espetáculo esporte esportes evento eventos eventos em Santos exposição família feira feriado férias festa festa junina festas festival fim de ano flores gastronomia geek golf guarujá handmade história hospedagem hotéis hotelaria humor inverno itanhaém japones juicybazar lazer lendas lgbt liberdade limpeza literatura litoral norte litoral plaza litoral plaza shopping lucky tattoo mar moda mongaguá mudanças mulheres museu museus música natal natureza negócios o que fazer obras oficina onde beber oportunidade palestra papai noel páscoa persona peruíbe pesquisa pet friendly pets praia praia grande praias presentes prevenção projeto social restaurantes reveillon revista nove riviera de são lourenço roteiro turístico santos são paulo são vicente saúde segurança shopping show shows social sofitel solidariedade stand up sustentabilidade tattoo tatuagem teatro trabalho voluntário turismo turismo religioso vegan veganismo vegetarianismo verão vida noturna vinho vinhos workshop