Turismo na aldeia

confira o nosso "Dia de Índio"

A aldeia Tabaçu Reko Ypy, na divisa entre Itanhaém e Peruíbe, é nova, tem cerca de quatro anos e divide com outras seis aldeias um espaço de 2965 hectares, que formam a terra indígena Piaçaguera.

Itamirim, ‘pedra pequena’ em tupi-guarani, mulher do cacique Verá (Relâmpago) é uma espécie de porta-voz da aldeia e nos contou sobre o modo de vida da sua tribo.

Ela conta que os índios, por natureza, eram nômades e só passaram a viver em aldeiamentos com a chegada dos jesuítas portugueses, que os reuniam para a catequização. ‘Hoje o aldeiamento é importante pois é uma maneira de conseguirmos, junto ao governo, a demarcação das terras’.

Itamirim explica que novas aldeias surgem quando um grupo da mesma etinia cresce muito e o espaço comum passa a ficar pequeno. Então, os subgrupos se espalham pelas terras e criam novas aldeias, com ideais políticos e sociais próprios.

A aldeia Tabaçu

A aldeia Tabaçu tem dois espaços em meio à mata; um deles, que eles chamam de contemporâneo, mistura as culturas – tem ocas, casas de barro e de madeira, luz elétrica e ali é permitido o uso do celular, internet e televisão. Neste espaço eles podem comer a comida enviada pela pelo governo municipal, para manter a merenda escolar, já que Itamirim leciona na aldeia e tem uma sala de aula vinculada à prefeitura. É também o espaço onde eles recebem turistas e visitantes. ‘É a maneira de ensinarmos nossas crianças a conviverem nos dois mundos’, explica.

O outro espaço, após o lago que corta as terras, é onde eles dormem e aprendem a viver na natureza – e da natureza, como indígenas. Em meio à mata, Itamirim ensina as crianças a serem índios.

A aldeia é organizada politicamente da seguinte forma: há um cacique e um vice-cacique, o esposo e a mãe de Itamirim consecutivamente e, abaixo deles, as lideranças em várias áreas, como educação e saúde. Estes líderes são os chefes das famílias que vivem na aldeia e formam um conselho, que se reúne periodicamente para discutirem interesses comuns. ‘Esta estrutura política foi criada por nós, não é algo da nossa raíz, mas precisamos nos adaptar à realidade atual’, explica a índia.

As reuniões acontecem junto ao Tataruçú, ‘a grande fogueira’, que para eles é um portal com ligação ao divino (nhandejary) e que, portanto, os mantém protegidos de brigas e conflitos. Ao lado do Tataruçu há dois tocos, onde são amarrados aqueles que descumprem as regras – crianças e adultos. ‘Aqui nós pregamos o amor, portanto não permitimos brigas e confusões. Quem desobedece, fica amarrado aos tocos refletindo e pedindo perdão à divindade até que o Morubixaba (cacique) autorize a soltura’.

Os desafios

Como em muitas outras tribos, há grandes desafios diários e o principal deles é cuidar para que as crianças e jovens não se deslumbrem com o mundo fora da aldeia. ‘Há jovens que, por serem discriminados na cidade, negam a sua origem e não querem mais viver na tribo’, conta Itamirim. As drogas, a prostituição e o álcool também já chegaram às aldeias pela influência do ‘homem branco’.

Para tentar driblar estes problemas, a Tabaçu tem página nas redes sociais para divulgar a cultura indígena e fazer com que as pessoas conheçam, tenham mais interesse e menos preconceito com os índios.

A aldeia Tabaçu Reko Ypy optou por adotar a prática indígena antiga da coletividade. Alguns índios da tribo têm renda, pois trabalham na cidade ou na comunidade indígena, contratados pelo governo e esta renda é coletiva e mantém toda a aldeia. ‘É como se todos tivessem uma renda, pois todo o dinheiro que entra é para os interesses da aldeia’. Assim também funciona com o trabalho braçal, todos fazem tudo juntos.

Projeto Turístico

Com base nestas práticas, a tribo montou um projeto turístico, para atrair grupos de visitantes para conhecerem o verdadeiro modo de vida indígena, com suas tradições, danças, ritos e vivências. ‘As pessoas visitam aldeias indígenas e se decepcionam, pois encontram os índios vestidos com roupas de marca, correntes de ouro e casas de alvenaria. Quem vem aqui, vivencia exatamente como vivemos, mantendo nossas raízes. O ingresso que as pessoas pagam ajuda a manter as atividades da tribo’.

Para Itamirim, além de mostrar às pessoas o modo de vida do índio, este projeto faz com que os próprios indígenas resgatem os seus valores, pois à medida que eles precisam mostrar para as pessoas como são, eles precisam ser. ‘Nós estamos reaprendendo a ser índios, a respeitar os nossos valores’.

A tribo mantém alguns rituais indígenas, como o boraý, o ‘canto sagrado’, momento de adoração ao divino, que acontece todas as noites; as danças; a atribuição de nomes às crianças e a fogueira da cura. Tudo isso pode ser vivenciado pelos visitantes, o que inclui banho no lago e muito mais.

Na edição de maio, a índia Itamirim é a nossa ‘Persona’. Batemos um papo com ela, que nos contou um pouco do trabalho que exerce junto à comunidade indígena de Peruíbe. Uma belíssima matéria.

Visite

Visite

Abaixo os contatos para quem deseja passar um dia diferente na aldeia e voltar para casa conhecendo mais este povo que tem tanto a nos ensinar.

BLOG: www.vivaokatur.blogspot.com.br

E-mail: [email protected]

Facebook: www.facebook.com/aldeia.t.rekoypy

Diego Brígido

Editor da Revista Nove | Guia Comer & Beber

Mais buscadas

#tbt ação social afro aldeia alimentação almoço amor anchieta anime animesantos aniversário de Santos ano novo aquario arquitetura arte arte no dique avenida baixada santista bares bazar bebida beijaflor beneficente bernardino bernardino de campos bertioga bicicleta bike birdwatching boat week Brasil cachaça cães café cafeterias campanha caravana carnaval carnaval2020 carnavalsantista carreira casamento cenário centro histórico cerveja cerveja artesanal chamada chopp ciência cine autorama cinema cinema em santos circo clima coach coca coca cola coletivo comer e beber compras concha acústica confraternização consciência negra conscientização contadores de historia coração coworking crianças cruzeiro cruzeiros cubatão cuidado cultura culturageek curiosidades curso cursos curta metragem curta santos dança desfile design design gráfico designer dia das bruxas dia das mães dia de finados diversao drinks drive in ecologico economia criativa ecoturismo educação empreendedorismo encontro encontro de criadores engenho dos erasmos entretenimento entrevista espetáculo esporte esportes EUA evento eventos eventos em Santos exposição família fantasia feira feriado férias festa festa junina festas festival festival da imagem fim de ano finados flores fotografia gastronomia geek geekfest golf granderio guarujá halloween handmade história hospedagem hotéis hotelaria humor intenção inverno itanhaém japones jazz juicy juicy santos juicybazar LAB lançamento lazer lendas leo maia lgbt liberdade limpeza literatura litoral norte litoral plaza litoral plaza shopping livros lixozero lucky tattoo macuco mar mendes convention center metas moda mongaguá monumentos mostra mudanças mulheres museu museu da água museu do exercito museu do forte museus música música classica nacional natal natureza negócios neguinhodabeijaflor nerd nossa história novembro azul o que fazer obras oficina onde beber oportunidade orla orla da praia orla de santos palestra papai noel parada de natal parque páscoa passeio patinete patinete em santos patrimônio percurso persona personagens peruíbe pesquisa pet friendly pets pinacoteca praia praia do gonzaga praia grande praias premiação presentes presidente wilson prevenção primeira guerra projeto social projetos qualidade de vida restaurantes reveillon revela bertioga revista nove riviera riviera boat riviera de são lourenço rodovia role roteiro turístico sambaenredo santos santos city santos jazz festival santoscity são paulo são vicente saúde segurança sesc sesc jazz sesc santos shopping show shows social sofitel solidariedade stand up sustentabilidade tarrafa tattoo tatuagem teatro tenor tenor jean william terror trabalho voluntário turismo turismo religioso valongo vegan veganismo vegetarianismo verão vida noturna vinho vinhos vulcão vulcão do macuco workshop zeca pagodinho zero treze zerotreze