José Virgílio, presidente do Arte no Dique

Fotos: Christian Jauch

Desde muito jovem ele construiu carreira na área da cultura.

Sempre esteve envolvido com grandes nomes da música e da arte, como Moraes Moreira, Margareth Menezes, Gilberto Gil e Pepeu Gomes. Saiu da Bahia há 15 anos para organizar uma micareta na região do ABC Paulista. Licenciado do grupo Olodum, do qual foi diretor de produção por cinco anos, recebeu um convite profissional da produtora de Ivete Sangalo, mas negou para abraçar o desafio em São Paulo.

Quando chegou, além da micareta, emplacou um projeto social na região, em parceria com o Olodum, para apresentar a percussão aos jovens da comunidade. O projeto foi um sucesso e o grupo de alunos percussionistas veio se apresentar, juntamente com Simonian, no SESC de Santos.

Por aqui, encontrou novos parceiros e iniciou, então, um trabalho na comunidade do Caminho da Capela, em 28 de novembro de 2002, o que seria o embrião do Instituto Arte no Dique, projeto social que atende diariamente 500 pessoas da comunidade do Dique da Vila Gilda, uma das maiores favelas sobre palafitas do Brasil e do mundo, em Santos. Nessa entrevista José Virgílio Leal de Figueiredo nos conta sobre o Arte no Dique e sua importância para a cultura da cidade.

Quando você chegou a Santos, já tinha o projeto do Arte no Dique idealizado?

Eu cheguei aqui convidado para iniciar um projeto de percussão em comunidades carentes, aos moldes do que já era feito no ABC Paulista. Acabei fazendo uma parceria com o Instituto Elos, integrado por jovens arquitetos, que se interessaram por um projeto que eu tinha de construir um centro cultural completo. Em meados de 2003, quando o projeto de percussão já existia há alguns meses, os arquitetos do Elos desenvolveram a maquete do centro cultural. Como eu carregava a marca Olodum e estava desenvolvendo o projeto social no Dique, o prefeito Beto Mansur quis me conhecer e logo assinou uma carta de intenção de cessão de uma área para a construção do complexo cultural. Consegui trazer Moraes Moreira para um show no SESC e durante o coquetel, antes do show, eu apresentei a algumas empresas o projeto, com a maquete e a carta do prefeito. Conseguimos o patrocínio inicial da Libra Terminais e o apoio da imprensa local. Um ano depois, em 2004, com o projeto já bem encaminhado, decidi ficar de vez por aqui.

Qual o objetivo do Instituto Arte no Dique?

O principal objetivo do projeto é a inclusão social e a formação de cidadãos por meio da arte e da cultura. Através de vários cursos e oficinas, principalmente pela percussão, nós apresentamos novas oportunidades para essas pessoas. E queremos quebrar o estigma de que elas vivem na boca de fumo e não merecem respeito.

Quantas pessoas são atendidas pelo projeto e qual a faixa etária?

Hoje atendemos quase 500 pessoas todos os dias, das 7h30 às 20h, em várias atividades e todos são muito bem-vindos. Inclusive temos oficinas de crochê e de customização para pessoas de mais idade. É uma forma de proporcionarmos atividade e uma razão à vida dessas pessoas, além de melhorar a renda. O Arte no Dique paga o professor, mas as alunas se autofinanciam, comprando o material de trabalho e rentabilizando, com a venda do que produzem.

Outros projetos de destaque surgiram do Arte no Dique. Quais você elencaria como sendo os principais?

A Banda Querô certamente é um dos nossos grandes projetos, com repercussão nacional e até mundial, mas também temos outros importantes e já consagrados, inclusive que constam do calendário de eventos da cidade. A Mostra Cultural Arte no Dique, que acontece desde 2011 e reúne grandes nomes da arte regional e até nacional; o Som das Palafitas, que é um festival de música instrumental, que acontece aqui no instituto; o Arraial do Dique, que resgata o cancioneiro das festas juninas e a Primavera Cultural, que acontece em setembro.

Quem são os parceiros do projeto hoje?

Nossa principal parceira é a prefeitura de Santos, com a qual temos dois convênios e estamos, inclusive, construindo um restaurante-escola aqui na frente, que terá a configuração de um Bom Prato, com custo de R$ 1,50 por refeição e também pretendemos oferecer gratuitamente comida às pessoas que não têm condições de sair das palafitas, por dificuldades de locomoção e também não têm condições de pagar nem este valor pela refeição. A PUC, uma das principais universidades do país, também é uma grande parceira, com a qual estamos desenvolvendo uma rádio web comunitária, com todos os equipamentos adquiridos por eles. Também já realizamos um curso de fotojornalismo com duração de sete meses em parceria com a universidade, com certificados assinados pelo reitor. O Arte no Dique será a primeira extensão de pesquisas, em ONGs, fora da PUC. Estamos em busca de parceiros da iniciativa privada para que consigamos dar continuidade no projeto e ampliar nossas ações. Hoje, apenas conseguimos manter os custos do instituto.

Existe uma extensão do projeto na França. Como se deu isso?

Tivemos uma estagiária franco-brasileira aqui no instituto, em 2010, que ganhou uma bolsa de estágio no Brasil e escolheu o Arte no Dique, pois a mãe é santista. Foi ela quem articulou, juntamente comigo, nossa filial na França, em La Ciotat, reconhecida pelas leis francesas e operante. A função do instituto lá é receber intercambistas culturais daqui do Brasil e organizar a estada deles na França. No ano passado, tivemos uma passagem maravilhosa por Paris por 15 dias, onde visitamos um conservatório de música com nossos meninos e um deles já está estudando francês aqui para ir para lá nos próximos meses. Temos também um menino que saiu do projeto com 18 anos, foi para a Itália estudar música e hoje, aos 20 anos, é um conceituado percussionista, disputado em todo o país.

Como é que as pessoas chegam ao projeto?

Principalmente pelo boca-a-boca e pela instalação de faixas na comunidade. Também sempre tivemos, desde o início, um assessor de imprensa, o que nos deu uma boa entrada na mídia local.

Hoje o instituto funciona em um complexo de 960 metros quadrados. Desde quando o Arte no Dique começou a funcionar nesse prédio?

Desde 2012. Em 2009, com a visita do então Ministro da Cultura, Juca Ferreira a Santos, o Papa, já prefeito, disponibilizou R$ 1.950.000,00 para a construção do complexo. Em 2010 pressionei o Ministro para que viesse a Santos lançar o edital. Em março de 2011 começamos a construção e em junho de 2012 inauguramos a Escola Popular de Arte e Cultura Plínio Marcos – Instituto Arte no Dique.

Quais são as oficinas que o instituto oferece?

Temos várias oficinas, como percussão, dança, capoeira, violão, customização, informática, audiovisual e teatro. Além disso, atendemos diariamente 260 crianças no projeto Escola Total, da Secretaria de Educação, oferecendo reforço escolar, esporte, informática e música, no contraturno, ou seja, no período em que elas estão fora da escola.

O instituto tem professores e monitores que foram alunos dos projetos?

Sim, 70% dos nossos monitores do projeto Escola Total são ex-alunos dos nossos diversos projetos.

A comunidade do dique da Vila Gilda acolhe o projeto?

Todos recebem muito bem e são nossos parceiros. Nunca tivemos nenhum problema de depredação do prédio ou falta de segurança, por exemplo. Existe um respeito muito grande, principalmente porque os filhos dos moradores da comunidade estão aqui dentro. As pessoas entram e saem daqui quando querem e conhecem as regras. Muitos fazem festa de aniversário aqui, porque não têm condições de receber as pessoas nos barracos. Este espaço foi construído para eles utilizarem e por isso devem preservar e eles sabem disso.

Você trabalhou no clipe de They Don’t Care About Us, do Michael Jackson, que foi gravado no Brasil, no Pelourinho, em 1995. Como foi essa experiência?

Sim, vários produtores participaram daquele clipe: tinha a produção dele, a produção da gravadora, a produção de Spike Lee, que foi o diretor, e a produção do Olodum, que era eu. Cabia a mim a interação entre o Michael e o Olodum. Foi uma experiência inesquecível na minha vida, uma grandiosidade que nem dá para imaginar. Tudo funcionava com muita agilidade e profissionalismo. As camisas do Olodum que o Michael usa no clipe foi ele quem escolheu usar após ver várias pessoas da comunidade com elas. Então, Spike Lee chegou em mim e disse: Michael quer um modelo de cada camisa, esse será o figurino dele no clipe. Aquela camisa rasgada, que acabou virando moda, foi ele mesmo quem rasgou e, então, passamos a confeccioná-las rasgadas, porque todos queriam daquele jeito.

Você também foi convidado para ser fotografado para um livro que fala sobre a identidade brasileira.

Isso mesmo, é um livro chamado Somos Brasil, do fotógrafo britânico Marcus Lyon, que percorreu 22 mil quilômetros no Brasil e entrevistou e fotografou 104 pessoas que retratam a identidade do país. E com muito orgulho eu sou uma dessas pessoas. O livro acabou de ser lançado, agora em março.

Diego Brígido

Editor da Revista Nove | Guia Comer & Beber

Mais buscadas

#tbt ação social afro airbnb aldeia alimentação almoço amor anchieta anime animesantos aniversário aniversário de Santos ano novo ano novo praia grande antologia aquario aquário de santos arena hologate arquitetura arquitetura modernista arte arte no dique artista local atração autismo automotivação avenida baixada santista balão magico balão mágico sinfônico banda melim bares bazar bebida beijaflor beneficente bernardino bernardino de campos bertioga bicicleta bike birdwatching black friday blues boat week bonde bonde turístico bossa nova bossa nova em santos Brasil brisamar shopping cachaça cães café café árabe cafeterias campanha canais de santos caravana carla mariani carnabanda carnabanda 2020 carnabonde carnabonde 2020 carnaval carnaval 2020 carnaval de rua carnaval de santos carnaval em bertioga carnaval em mongagua carnaval em santos carnaval em sao vicente Carnaval Liberal Solidário de Santos carnaval santista carnaval2020 carnavalsantista carreira casamento casarão da tuiuti cata treco cata treco santos cemitério israelita cenário centro histórico ceramica cerveja cerveja artesanal chamada chopp churrasco cidade de santos ciência cine autorama cinema cinema em santos cinesystem circo circo dos sonhos clantransdestina clima clube de pesca coach coaching coca coca cola coletivo comer e beber comercial compras concerto concha acústica confraternização consciência negra conscientização consumo consciente contadores de historia conteiner coração cortejo quiloa coworking criança crianças cruzeiro cruzeiros cubatão cuidado cultura culturageek curiosidades curso cursos cursos de férias curta metragem curta santos dança desfile design design gráfico designer destinos dia das bruxas dia das mães dia de finados diogo nogueira diversao dp world dp world santos dragão drinks drive in ecologico economia criativa ecoturismo edificil marahu educação emocional empreendedorismo empresa empresas portuárias encenação encontro encontro de criadores engenho dos erasmos entretenimento entrevista escola de samba espelho espetáculo esporte esportes estabilidade Estação do Valongo estação verão estação verão praia estação verão show estilo de vida EUA evento eventos eventos em Santos exposição família fantasia feira feira criativa feira de natal feito a mão feriado férias ferrovia festa festa junina Festa Mares do Sul festas festival festival da imagem festival de musica filme fim de ano finados flamenco flores fonte fonte interativa forró forró pé na areia fotografia futebol futebol caiçara game gastronomia geek geekfest golf gonzaga grafite granderio gravação grupo especial grupo feitiço grupo mendes guarujá guilherme arantes halloween handmade história história de santos hospedagem hotéis hotel atlantico hotelaria humor iate iate clube de santos iates de luxo ilha das palmas inteligencia inteligencia emocional intenção inverno istalação artística itanhaém itararé iza jabaquara japones jazz jogo de tabuleiro juicy juicy santos juicybazar kascão LAB lançamento lançamento de livro lazer lendas leo maia leonardo miggiorin lgbt liberdade lifestyle limpeza liquidação literatura litoral festival litoral norte litoral plaza litoral plaza shopping litoral sul livro de poema livros lixozero looping star lucky tattoo macuco mar maracatu marcas melim melim em santos mendes convention center mercado de peixes metas moda mongaguá monicaverso montanha russa monumentos mosaico jogos mostra mostra de arte mostra fotográfica mpb msc msc sinfonia mudanças mulheres museu museu da água museu do café museu do exercito museu do forte museus música música classica nacional natal natal em santos natal inclusivo natureza negócios neguinhodabeijaflor nerd netflix nossa história nova ponta da praia novembro azul o coletivo o que fazer objeto ceramico obras oficina onde beber oportunidade orla orla da praia orla de santos orquestra orquidário orquidário de santos oxigênio criativo paixão de cristo palacete mauá palestra papai noel papai noel se importa parada de natal parque parque magic dragon páscoa passeio patati patata patinete patinete em santos patio iporanga patrimônio peça percurso persona personagens peruíbe pesquisa pet friendly pets pinacoteca plataforma plinio marcos plinio marcos presente poesia ao infinito ponta da praia porto porto de santos portuguesa praia praia do gonzaga praia grande praiamar praias premiação presente presentes presidente wilson prevenção primeira guerra produções programação projeto social projetos promoção propaganda qualidade de vida quiloa rainha de bateria realidade virtual recreação restaurantes reveillon réveillon em santos réveillon praia grande revela bertioga revista mirante revista nove rio santos bossa fest riviera riviera boat riviera de são lourenço rococco rodovia role roteiro roteiro turístico samba sambaenredo santo santos santos carnabanda 2020 santos carnabonde santos city santos e região santos em verso e prosa santos jazz festival santoscity são paulo são vicente saúde segurança sesc sesc jazz sesc santos sherlock holmes shopping shopping balneário shopping patio iporanga shopping villamar show show de natal show em santos shows shows praia grande signos possíveis single social sofitel solidariedade sorvete sorvete kascão stand up startup sucesso sunset party sustentabilidade tarrafa tattoo tatuagem teatro tenor tenor jean william terminal portuário terror trabalho voluntário turismo turismo em santos turismo religioso turma da monica urbanização vaga de emprego valongo vegan veganismo vegetarianismo verão vida noturna vila de são vicente villamar vinho vinhos virada cultural virada sp visibilidade trans visita noturna vulcão vulcão do macuco workshop xande de pilares zeca pagodinho zero treze zerotreze