Fantasma do Paquetá

Arte: Christian Jauch

Você pode não ter visto, mas já ouviu falar.

É bem provável que você acelere os passos ao passar em frente a algum dos cemitérios de nossa região à noite. Lendas de fantasmas povoam o imaginário da população desde os remotos tempos em que a iluminação das ruas era com lampiões, propiciando o clima do sobrenatural.

Um fantasma bastante conhecido dos santistas é o Fantasma do Paquetá, que assustou a população no início do século passado, nos idos de 1900. De acordo com o historiador e pesquisador santista Francisco Vazquez Carballa, Maria M., uma jovem beata da alta sociedade santista, teve, no final do século XIX, um caso com um clérigo da velha Igreja Matriz de Santos.

Deste relacionamento, nasceu uma criança, que faleceu pouco tempo após o nascimento. O bebê foi enterrado discretamente na ala de crianças do Cemitério do Paquetá, pois Maria havia sido expulsa de casa e era hostilizada pela sociedade da época.

Após a morte do filho, Maria M. passou a ir diariamente, vestida de luto, à porta do cemitério, velar pela criança, sempre perto da meia noite, para não ser vista. De acordo com o historiador, a mulher vinha da esquina da rua São Francisco de Paula e seguia pelo gradil do cemitério, na rua Dr. Cocrane, ajoelhava-se no portão, levantava o véu e com um lenço enxugava as lágrimas e acenava para dentro do cemitério.

A beata faleceu tempos depois de tristeza e solidão, mas a população da época jura que via o mesmo ritual diariamente. Cansado de ouvir os boatos que amedrontavam os moradores, o então chefe da repartição policial, o major Evangelista de Almeida, ordenou que um pelotão de praça da cavalaria fizesse plantão durante a fria noite de 27 de julho de 1900, em frente ao portão do cemitério.

O fantasma não apareceu, mas uma plateia de curiosos, que desejava presenciar sua captura, foi expulsa do local a chicotadas, porretadas e golpes de espadas da guarda. No dia seguinte, o fato foi noticiado pelos jornais A Tribuna e Cidade de Santos.

Agora você já sabe, se encontrar uma assombração pelos lados do Paquetá, pode ser Maria M.

As Oficinas Querô produziram um curta metragem sobre a lenda. Olha que bacana.

Fantasma do Paquetá

Diego Brígido

Editor da Revista Nove

Mais buscadas

#tbt ação social afro aldeia alimentação almoço amor ano novo aquario arquitetura arte arte no dique baixada santista bares bazar bebida beneficente bertioga birdwatching Brasil cachaça cães café cafeterias carnaval carreira casamento cenário centro histórico cerveja cerveja artesanal chamada chopp ciência cinema circo clima coletivo comer e beber compras concha acústica confraternização consciência negra coração coworking crianças cruzeiros cubatão cuidado cultura curiosidades cursos curta metragem curta santos dança design design gráfico designer dia das mães drinks ecologico economia criativa ecoturismo educação empreendedorismo encontro encontro de criadores entretenimento entrevista espetáculo esporte esportes evento eventos eventos em Santos exposição família feira feriado férias festa festa junina festas festival fim de ano flores gastronomia geek golf guarujá handmade história hospedagem hotéis hotelaria humor inverno itanhaém japones juicybazar LAB lazer lendas lgbt liberdade limpeza literatura litoral norte litoral plaza litoral plaza shopping livros lucky tattoo mar moda mongaguá mostra mudanças mulheres museu museus música nacional natal natureza negócios o que fazer obras oficina onde beber oportunidade palestra papai noel páscoa patrimônio persona personagens peruíbe pesquisa pet friendly pets praia praia grande praias presentes prevenção projeto social projetos restaurantes reveillon revista nove riviera de são lourenço roteiro turístico santos são paulo são vicente saúde segurança sesc shopping show shows social sofitel solidariedade stand up sustentabilidade tarrafa tattoo tatuagem teatro trabalho voluntário turismo turismo religioso vegan veganismo vegetarianismo verão vida noturna vinho vinhos workshop