Patrícia Galvão, a Pagu

Porque nem toda brasileira é bunda

A frase do título pertence a música de Rita Lee e Zélia Duncan, que leva o nome de Pagu e eterniza sua importância na militância política e no cenário cultural brasileiro.

Patrícia Rehder Galvão, a Pagu, foi um dos ícones do movimento modernista no Brasil e se destacou como escritora, jornalista, poeta, diretora de teatro, desenhista, e sobretudo agitadora cultural, feminista e militante política.

A primeira brasileira no século 20 a ser presa política teve uma vida curta, mas intensa, de lutas e entrega. Morreu em 1962, aos 52 anos, vítima de um câncer, que a levou, inclusive, a uma tentativa de suicídio.

Ainda antes de ser Pagu, Patrícia Galvão já era considerada uma menina avançada para a época, pois tinha comportamentos que não condiziam com sua educação conservadora. Fumava na rua, falava palavrões e usava blusas transparentes e cabelos curtos e eriçados.

Um pouco de história

Aos 15 anos, enquanto estudava para ser professora, passou a escrever para um jornal de bairro, em São Paulo, e frequentou o Conservatório Dramático e Musical, onde teve aulas com Mário de Andrade e Fernando Mendes de Almeida.

Com 19, por intermédio de Raul Bopp, conheceu o casal de modernistas Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral, que a introduziram no movimento antropofágico. Teria sido Raul o inventor de seu apelido, por achar que seu nome era Patrícia Goulart. No poema ‘Coco de Pagu’, usa o codinome, que viria se eternizar, pela primeira vez.

Pouco tempo depois, Oswald separou-se de Tarsila e casou-se com Pagu, que já esperava um filho seu, Rudá de Andrade. Alguns meses após o parto, Patrícia Galvão foi a Montevidéu, no Uruguai, participar de um festival de poesia, quando conheceu o líder comunista Luis Carlos prestes.

Ao voltar para o Brasil, Pagu e Oswald se filiaram ao Partido Comunista (PCB) e fundaram o jornal de esquerda ‘O Homem do Povo’. No mesmo ano, em 1931, ela é presa em Santos, ao participar de um comício, durante uma greve dos estivadores, e levada para um cárcere na Praça dos Andradas, conhecido hoje como Cadeia Velha, onde funciona um centro cultural que leva o seu nome.

No ano seguinte, Pagu foi morar em uma vila operária no Rio de Janeiro, onde trabalhou como proletária e escreveu o romance proletário Parque Industrial, assinado por Mara Lobo, pseudônimo exigido pelo Partido Comunista, além de uma peça de teatro baseada nele.

Em seguida, começou a viajar pelo mundo como correspondente de jornais cariocas e paulistanos. Na China, cria vínculos com o último imperador, Pu-Yi, de quem consegue as sementes de soja que iniciam a cultura do cereal no Brasil.

Também trabalhou em Paris, como jornalista e tradutora de filmes, onde foi ferida em manifestações de rua e presa três vezes. Nos anos que se seguiram, foi levada para a prisão diversas vezes pelo governo getulista no Brasil, mas continuou uma intensa produção cultural.

Em 1940, já separada de Oswald de Andrade, casou-se com Geraldo Ferraz, com quem tem o seu segundo filho, Geraldo Galvão Ferraz. Em São Paulo, publicou crônicas em A Noite, sob o pseudônimo Ariel, além de contos policiais para a revista Detective e outros romances, como A Famosa Revista, em parceria com Geraldo Ferraz.

Pagu também foi candidata à deputada federal, pelo Partido Socialista Brasileiro, e escreveu outras obras, incluindo a peça Fuga e Variações.

Em Santos

Quando veio morar em São Vicente e em Santos, em 1964, começou a trabalhar para o jornal A Tribuna, onde assinava uma das primeiras colunas de TV no Brasil, com o pseudônimo Gim.

Por aqui, também incentivou o teatro de vanguarda, quando coordenou a primeira edição do Festival do Teatro Amador de Santos e Litoral.

Em setembro de 1962, Pagu voltou a Paris para se submeter a uma cirurgia em decorrência do câncer. A operação não deu certo e ela tentou o suicídio, sem sucesso. Em dezembro, já muito debilitada, publicou o seu último texto em A Tribuna, o poema Nothing, às vésperas de sua morte, em Santos.

Conforme aponta a professora Lúcia Maria Teixeira, pesquisadora de Pagu desde 1988, “Ela sempre sonhou entregar-se totalmente, sem limites, até a aniquilação, ao amor, a uma causa, à vida e até à própria morte”.

Eh Pagú eh!

Pagú tem uns olhos moles
uns olhos de fazer doer.
Bate-coco quando passa.
Coração pega a bater.
Eh Pagú eh!
Dói porque é bom de fazer doer (…)

[poema ‘Coco de Pagu’, de Raul Bopp, dedicado a ela, em 1928]

Mais buscadas

#tbt ação social aldeia alimentação almoço amor ano novo aquario arquitetura arte arte no dique baixada santista bares bazar beneficente bertioga cães café cafeterias carnaval carreira casamento cenário centro histórico cerveja cerveja artesanal chopp ciência cinema circo coletivo comer e beber compras confraternização consciência negra coração coworking crianças cruzeiros cubatão cuidado cultura curiosidades cursos curta metragem curta santos dança design dia das mães drinks ecologico economia criativa ecoturismo educação empreendedorismo encontro encontro de criadores entretenimento entrevista espetáculo esporte esportes evento eventos eventos em Santos exposição família feira feriado férias festa festa junina festas festival fim de ano flores gastronomia geek golf guarujá handmade história hospedagem hotéis hotelaria humor inverno itanhaém japones juicybazar lazer lendas lgbt liberdade limpeza literatura litoral norte litoral plaza litoral plaza shopping lucky tattoo mar moda mongaguá mudanças mulheres museu museus música natal natureza negócios o que fazer obras oficina onde beber oportunidade palestra papai noel páscoa persona peruíbe pesquisa pet friendly pets praia praia grande praias presentes prevenção projeto social restaurantes reveillon revista nove riviera de são lourenço roteiro turístico santos são paulo são vicente saúde segurança shopping show shows social sofitel solidariedade stand up sustentabilidade tattoo tatuagem teatro trabalho voluntário turismo turismo religioso vegan veganismo vegetarianismo verão vida noturna vinho vinhos workshop