Fábrica Aberta

um passeio pela Unipar Carbocloro

Cubatão carregou, no passado, uma imagem negativa em função da poluição causada pelo polo industrial instalado na cidade.

Foi considerada a cidade mais poluída do mundo na década de 1980. Isso não é novidade. E também não é novidade que o município conseguiu reverter esta situação e hoje é símbolo de recuperação ambiental.

Há algo, no entanto, que talvez você não saiba, embora também não seja novidade: além de adequarem todo o processo produtivo, em respeito ao meio ambiente e à sociedade – e à legislação, é claro, algumas indústrias de Cubatão abriram as portas à comunidade com programas de visitação.

A precursora foi a Unipar Carbocloro, que, em 1985, após uma pesquisa de imagem junto à população, identificou a necessidade de melhorar o seu relacionamento com a vizinhança. A indústria já se preocupava com questões ambientais e sociais naquele momento em que as demais pensavam apenas em produzir. O cenário não era favorável para a indústria química no mundo, que carregava uma imagem bastante negativa. ‘Mas, na Unipar Carbocloro, a realidade já era diferente e era preciso mostrar isso’, explica o diretor industrial, Airton Antônio de Andrade. Surgiu, então, o programa Fábrica Aberta, que no ano passado completou 30 anos e já recebeu quase 105 mil visitantes.

Airton explica que o objetivo do projeto era abrir um canal de comunicação com a comunidade e mudar a percepção que a vizinhança tinha da indústria. ‘O Fábrica Aberta, além de melhorar a imagem que as pessoas tinham da indústria, mudou o comportamento dos funcionários, que passaram a cuidar mais da organização e da limpeza, para receber as pessoas’.

Programa de visitação

A Unipar Carbocloro está aberta à visitação todos os dias do ano, 24 horas por dia, desde que seja feito agendamento prévio. A monitoria é feita por funcionários e funcionários aposentados da fábrica, que guiam os visitantes por todo o complexo industrial – uma das mais modernas plantas de cloro-soda do mundo – e também pela área verde adjacente. ‘É uma visita integrada, pois qualquer funcionário está preparado e disposto a acrescentar informações durante o percurso pela fábrica. Além disso, foi uma forma que encontramos de manter os antigos trabalhadores ligados à empresa’, explica o diretor.

A indústria mantém, desde 1992, uma RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural), e é considerada Mantenedor da Fauna Silvestre, pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo. São 650 mil metros quadrados de área verde, quase sete vezes o tamanho da planta industrial, que abrigam animais silvestres, um aquário de peixes ornamentais e lagos com carpas.

O aquário, chamado de Carboquarium, é abastecido por um sistema criado por um ex-funcionário, em 1986, e usa a água residual do processo de produção, que é tratada e devolvida ao rio. Uma forma de comprovar a qualidade da água que é despejada no meio ambiente.

Desde 1964, quando foi inaugurada, a Unipar Carbocloro aumentou sua capacidade produtiva 22 vezes, sem avançar sobre a área verde. É um complexo inteiramente modernizado, que produz, além de cloro e soda cáustica, ácido clorídrico, dicloroetano (um dos componentes do PVC) e hipoclorito de sódio.

Os visitantes podem conhecer todo o processo produtivo de forma segura – com equipamentos de proteção individual (EPI), em um roteiro que dura aproximadamente três horas. Um dos pontos altos da visita é a novíssima Sala Interativa de Eletrólise, inaugurada em dezembro de 2015, que explica de forma didática e interativa o processo de produção.

Pioneirismo

Pioneiro no mundo, o programa Fábrica Aberta integrou o Roteiro Científico e Ambiental da publicação Circuito Turístico Costa da Mata Atlântica, elaborada pelo Sebrae/SP em 2008 e reeditada em 2015. Também recebeu reconhecimentos como o Prêmio Fiesp de Mérito Ambiental, em 1995; o Prêmio Eco, em 2007 e o 8 º Ranking Benchmarking Brasileiro, em 2010. Além disso, a Unipar Carbocloro foi reconhecida nos três últimos anos como a empresa do ano em Cubatão, em votação promovida pelo CIESP.

Agendamento ao programa Fábrica Aberta Unipar Carbocloro pelo site.

Orientações para a visita

Para que as visitas guiadas no Programa Fábrica Aberta ocorram de maneira segura e organizada é necessário seguir às seguintes orientações:

  • Visitantes devem ter a partir de 15 anos
  • Grupos de visita podem ter no máximo 40 pessoas
  • É necessário preencher e entregar, com a antecedência solicitada, o Termo de Reconhecimento de Risco e Responsabilidades
  • É obrigatório trajar calça comprida e calçado completamente fechado, como bota ou tênis.
  • Não é permitida a entrada com máquinas fotográficas, filmadoras e celulares na área industrial, mesmo que desligados. Os visitantes serão orientados a deixarem seus equipamentos na área de recepção do Programa
  • Caso algum visitante tenha algum tipo de deficiência, é preciso informar com antecedência
  • Devido à natureza das instalações e por questões de segurança, algumas áreas têm acesso restrito.
  • Pessoas com marca-passo devem avisar os monitores no dia da visita, pois em algumas áreas sua entrada não é permitida
  • Caso haja algum imprevisto no dia da visita, pede-se a gentileza de avisar a fábrica por telefone. A tolerância para atraso é de 20 minutos, após os quais a visita será cancelada para não interferir nas visitas seguintes.
  • Em caso de chuva forte ou de atraso por parte dos visitantes, o roteiro da visita poderá ser alterado.

Diego Brígido

Editor da Revista Nove