Loira do Banheiro: a história que surgiu no colégio Canadá

Essa lenda urbana você já conhece, e provavelmente ela assombrou seus anos de escola.

A base dessa lenda é sempre a mesma: uma mulher loira, pálida, vestida de branco e com algodões no nariz, que assombra os banheiros femininos de escolas e mata suas vítimas. Mas você conhece a história da Loira do Banheiro do colégio Canadá? Muitas histórias rondam essa personagem, e você provavelmente já ouviu alguma delas. Acontece que, na verdade, a história nasceu bem aqui na Baixada Santista, após uma tragédia registrada no colégio Canadá.

Existem muitas versões dessa lenda, e é importante dizer que ela funciona bem nas escolas, já que supostamente, a menina estaria matando aula no banheiro, quando bateu a cabeça e morreu. A história a seguir é semelhante a essa, mas conta a lenda com mais detalhes. Conheça agora a origem desta que é uma das lendas urbanas mais famosas do país, e que começou na primeira escola pública da região, em Santos.

O caso aconteceu em uma manhã de 1944, quando o colégio tinha o professor Zacarias Farias como diretor. No dia do ocorrido, o diretor foi chamado para uma emergência no banheiro feminino da escola: uma aluna havia cortado os pulsos e desmaiado, mas quando caiu, bateu a cabeça no vaso sanitário, o que causou sua morte. A jovem em questão era Luciana, de 15 anos. Luciana tinha uma melhor amiga e confidente, Marcinha, com quem costumava matar aula no mesmo banheiro.

Dizem que o que motivou o suicídio de Luciana foi a notícia de que Marcinha seria mandada para um convento de freiras. Acontece que, além da amizade, muitos na escola comentavam que as duas escondiam também um romance. O romance teria sido delatado por um outro colega, e o pai de Marcinha teria tirado a filha da escola por conta disso, mandando a jovem para um convento no interior do estado. O medo da repercussão do ocorrido fez com que Luciana decidisse colocar um fim em sua vida.

Como se a história já não fosse assustadora o suficiente, não acabou aí. Um mês após o caso, uma aluna da mesma sala de Luciana viu o espírito da menina no banheiro. A garota estava lavando as mãos quando sentiu uma presença, e ao se virar, deu de cara com a jovem pálida, com algodão no nariz e usando a roupa com a qual foi enterrada. De acordo com o relato da aluna, o espírito teria segurado em seu pescoço com as mãos geladas, em uma tentativa de beijá-la. A aluna conseguiu se esquivar e saiu correndo, aos gritos. Outras aparições foram relatadas, ainda mais frequentes, o que começou a causar pânico entre os alunos.

A princípio, as alunas não usavam mais o banheiro feminino, mas com o tempo, muitos alunos deixaram também de ir às aulas, tomados pelo medo. De acordo com a história, o espírito de Luciana estaria voltando ao local de sua morte à procura de sua melhor amiga, Marcinha.

Na tentativa de conter a situação e evitar que as notícias se espalhassem pela cidade, o diretor fez um acordo com os alunos que viram ou sabiam das aparições: eles deveriam guardar segredo em relação às aparições, e assim não teriam suas faltas contabilizadas naquele ano, além disso, o banheiro seria destruído. Assim foi feito, e o espaço foi transformado em um almoxarifado, onde, até onde sabemos, não foram registradas novas atividades paranormais.

Apesar da tentativa do diretor, muitos jovens já tinham conhecimento da história, o que fez com que o caso se espalhasse por aí. Alguns dizem até que outras escolas se aproveitaram do ocorrido para evitar que seus alunos matassem aula. Isso fez com que a história tomasse as proporções que conhecemos hoje, contando até com relatos de diversas aparições de outras loiras em banheiros de escolas.

Arrepiou? Por aqui também. Agora que você já conhece a verdade, compartilhe com os amigos que também não perdem uma história macabra.

 

 

Fonte: “A Verdadeira História da Loira do Banheiro do Colégio Canadá”, de Dino Menezes.

Bruna Domato

Estudante de publicidade

Mais buscadas

#tbt ação social aldeia alimentação almoço amor ano novo aquario arquitetura arte arte no dique baixada santista bares bazar beneficente bertioga cães café cafeterias carnaval carreira casamento cenário centro histórico cerveja cerveja artesanal chopp ciência cinema circo coletivo comer e beber compras confraternização consciência negra coração coworking crianças cruzeiros cubatão cuidado cultura curiosidades cursos curta metragem curta santos dança design dia das mães drinks ecologico economia criativa ecoturismo educação empreendedorismo encontro encontro de criadores entretenimento entrevista espetáculo esporte esportes evento eventos eventos em Santos exposição família feira feriado férias festa festa junina festas festival fim de ano flores gastronomia geek golf guarujá handmade história hospedagem hotéis hotelaria humor inverno itanhaém japones juicybazar lazer lendas lgbt liberdade limpeza literatura litoral norte litoral plaza litoral plaza shopping lucky tattoo mar moda mongaguá mudanças mulheres museu museus música natal natureza negócios o que fazer obras oficina onde beber oportunidade palestra papai noel páscoa persona peruíbe pesquisa pet friendly pets praia praia grande praias presentes prevenção projeto social restaurantes reveillon revista nove riviera de são lourenço roteiro turístico santos são paulo são vicente saúde segurança shopping show shows social sofitel solidariedade stand up sustentabilidade tattoo tatuagem teatro trabalho voluntário turismo turismo religioso vegan veganismo vegetarianismo verão vida noturna vinho vinhos workshop