A Renovação

por Marcia Atik e Aparecida Favoreto

Passado o inverno, cinza, de árvores desbotadas e desfolhadas, emoções bastante complexas, que evocam tempo perdido, sonhos não realizados e dificuldades não ultrapassadas que nos atingem a alma, chega a primavera, luminosa, calorosa e florida.

A primavera é a estação mais colorida do ano – flores desabrochando, a natureza se renovando, inspirando encontros, paixões e amores – é época que propicia reencontros, lavar a sujeira acumulada, recolher folhas mortas, reparar o reboco da alma.

Talvez você não saiba, mas ofertar flores para a amada ou amado pode ir muito além de uma gentileza ou um gesto de afeto; pode ser um convite, uma expressão de desejo erótico e sexual. Sem dúvida as flores possuem outros significados e intenções, mas quando a oferta se dá dentro de uma relação ou entre amantes, seja uma orquídea ou um buquê de flores, a mensagem oculta é de desejo e erotismo.

Uma curiosidade, no passado quando se descobriu que as flores eram os aparelhos reprodutivos das plantas, alguns religiosos ficaram horrorizados e se rebelaram contra essa descoberta e  tentaram desacreditar o pesquisador em questão, pois a repressão sexual, na época, era tão grande que era inconcebível para eles que a criação divina pudesse ter permitido essa exposição indecente na natureza.

As flores geralmente estão presentes no início do relacionamento, na fase da conquista e do encantamento, fase essa que os casais relembram com muita saudade e nostalgia, principalmente porque se remetem à primeira relação sexual ou primeiros encontros eróticos.

Mas nem tudo são flores nas primeiras relações sexuais, muitas vezes as pessoas estão tão tensas e ansiosas que podem apresentar dificuldades ou inadequações sexuais.

Para uma boa relação sexual quer seja rompendo a barreira da virgindade ou que seja a primeira de um novo relacionamento são necessários alguns ingredientes para que o corpo se prepare e o desejo exploda, tais como relaxamento, intimidade, tranquilidade, autoconhecimento, segurança e principalmente permitir-se passear pelo corpo do outro como se fora explorar, descobrir e desnudar.

Além desses aspectos, as preliminares repletas de toques, cheiros, massagens, abraços e beijos são fundamentais para o despertar do sensual e erótico, caso contrário, podemos nos deparar com dificuldades e até desenvolver disfunções sexuais.

Sexo bom é vida, renovação e envolvimento.

Ser e saber ser merecedor do prazer sexual para poder usufruir mais e querer sempre mais, apesar de algumas perdas, fazendo com a vida o que tão bem Cecília Meirelles decanta em versos.

“Aprendi com a primavera a me deixar cortar. E a voltar sempre inteira”.

Márcia Atik e Aparecida Favoreto

Terapeutas sexuais