Manguezal, berçário natural

Fotos: Christian Jauch

O manguezal é mais uma das grandes riquezas naturais da Baixada Santista.

Muito presente, mas pouco conhecido, é um ecossistema costeiro, de transição entre os ambientes terrestre e marinho, comum em regiões onde ocorre o encontro do rio com o mar, o que justifica sua água salobra.

Os manguezais são considerados berçários naturais, pois abrigam espécies típicas, mas também são redutos de outros animais, como aves, peixes, moluscos e crustáceos, em busca de alimento, reprodução e abrigo.

O solo das áreas de mangue é úmido e pobre em oxigênio, mas rico em nutrientes, pois possui grande quantidade de matéria orgânica em decomposição, que serve de alimento à base de uma extensa cadeia alimentar.

Dá para acreditar que cerca de 95% do que o homem pesca no mar é produzido nos manguezais? Este ecossistema destina matéria orgânica para os estuários e contribui, com isso, para a atividade primária da zona costeira. Por isso é tão complexo e sua conservação é tão importante.

Cerca de 15% do total de mangues no mundo estão no litoral do Brasil, o que equivale a mais de 26 mil km². A Baixada Santista detém parte deste patrimônio, protegido por lei nacional e considerado Área de Preservação Permanente (APP), com 120 km² dos 231 km² existentes no estado de São Paulo, ainda que muito já tenha sido degradado.

Mangue turístico

Das nove cidades da região, apenas Mongaguá não possui mangue e algumas das outras oito o utilizam para atividades turísticas. Entre Praia Grande e São Vicente, por exemplo, com saída do Portinho, é possível praticar canoagem ecológica no manguezal.

A remada, com cerca de duas horas, é feita em canoas canadenses e oferece uma aula sobre a importância deste ecossistema, com guia acompanhante e direito a avistamento de aves típicas, como o Guará Vermelho, considerada uma das aves mais lindas do mundo, além de garças brancas e azuis, socós, colhereiros e maguaris – a maior garça das Américas.

De Cubatão também é possível contratar roteiros de barco ou lancha pelo manguezal, com opções de pesca, passeios, birdwatching (observação de aves) e educação ambiental, com foco na importância da preservação deste sistema. Em Itanhaém, considerada a Amazônia Paulista, um passeio pelo Rio Itanhaém garante duas horas em meio a um cenário inesquecível, com direito a avistamento de aves, vegetação típica de mangues e paradas para descanso e petiscos.

O manguezal também é abrigo de jacarés, tartarugas, arraias, tubarões e outros peixes, como a tainha, o bagre e o parati. Os passeios por este ecossistema são roteiros contemplativos, que garantem novas descobertas e muitos cliques fotográficos.